TRADUTOR

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

RETROSPECTIVA 2014

Um ano de iniciativas e lutas, semeando um 2015 de firme resistência à política antiioperária de Dilma e ao golpismo da direita pró-imperialista

2014 foi um ano de muitas iniciativas e lutas para a Liga Comunista. Semeamos convictos de que colheremos no porvir.

Estivemos com os olhos bem abertos e alertamos para a nova ofensiva do imperialismo que teima frear a roda da história e lançar mão de seus agentes regionais contra os povos oprimidos através de Golpes de Estado e da pressão pela imposição de planos de austeridade contra o conjunto do proletariado mundial. 

Prognosticamos que o 2015 será um ano de duros enfrentamentos, particularmente contra o fantasma do golpismo que ronda também o Brasil, mas também intransigentemente contra a política antioperária de Dilma e seu ministério de monstros. Mas os choramingos de que a vida é dura e será mais difícil de nada adiantarão para os que precisam e querem organizar a resistência das massas.

A vida da classe trabalhadora nunca foi um mar de rosas mesmo, mas sim um vale de lágrimas. Todavia, coletivamente, resistimos. Vencemos muitas batalhas. Aprendemos com as derrotas e nos preparamos para a guerra mundial de classes.

Quanto mais organizados, mais conscientes de nossa missão histórica, mais vitórias teremos. Que venham as lutas de 2015!

Abaixo fazemos uma retrospectiva com as devidas datas das principais atividades realizadas:

domingo, 28 de dezembro de 2014

CUBA - EUA

O novo acordo EUA-Cuba e a
luta em defesa do Estado proletário

Declaração assinada por: Liga Comunista – Brasil; Tendência Militante Bolchevique – Argentina; Socialist Fight – Grã Bretanha; Coletivo Lenin - Brasil; Resistência Popular Revolucionária - Brasil.

Após 18 meses de conversações secretas entre EUA e Cuba, mediadas pelo Canadá e pelo papa Francisco, os dois países realizaram os primeiros gestos de aproximação em meio século com a libertação de prisioneiros que ambos os países mantinham do outro. Mas o fim do bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos EUA a Cuba depende do Congresso dos EUA, que precisa votar o fim das leis Torricelli e Helms-Burton. Todavia, os que defendem o bloqueio são a maioria das duas casas do Congresso.

O Estado imperialista é integrado por distintas frações da burguesia estadunidense. Por isso, apesar de sua pequeña importancia social, existem minorias contrarevolucionarias, como o sionismo (não confundir mecanicamente com o judaísmo) e os gusanos burgueses nos EUA que possuem representação deformadamente maximizada na política imperialista. Por exemplo, os negros são 13% da população estadunidense, mas todo policial tem o direito de estrangular e executar um negro pobre desarmado, segundo a justiça da mais rica cidade dos EUA. Os sionistas e os gusanos são sócios dos 1% mais ricos, mas assim como o sionistas, os gusanos podem impor sua orientação a Casa Branca em determinadas questões decisivas a seus interesses, por serem a vanguarda e justificativa da política contrarrevolucionária contra o Estado proletário nos EUA. Portanto, a derrubada das leis do bloqueio por parte do legislativo imperialista não será possível enquanto a burguesia gusana for funcional a direita republicana. Todavia, não nos resta dúvida que foram as necessidades maiores do conjunto do imperialismo por conter a influência da Rússia e da China sobre a América Latina que se impuseram sobre o Executivo para que Obama conciliasse esse acordo. 

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

TRABALHADORES SEM TETO - SÃO BERNARDO DO CAMPO/SP

Derrotar a repressão de Luis Marinho (PT)!
Todo apoio à ocupação Devanir José de Carvalho!


Reproduzimos abaixo o artigo do jornalista de Cadu Bazilevski, diretor de base da Regional do ABCD, do Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo, sobre a Ocupação Devanir José de Carvalho, onde a questão social foi tratada como caso de polícia (como na época do época do ex-Presidente Washington Luís, na Primeira República), agora pela Prefeitura de São Bernardo do Campo do Partido dos Trabalhadores, tendo sido repudiada por amplas parcelas da esquerda na cidade e até dentro dos militantes do partido na cidade. A Liga Comunista se solidariza com os lutadores trabalhadores sem teto e suas organizações e repudia o prefeito de São Bernardo do Campo (SBC), Luis Marinho, e luta pela revolução urbana que exproprie os especuladores imobiliários, defendidos com violência policial pela prefeitura petista e sua Guarda Civil, e ponha o conjunto do espaço urbano sob o controle dos trabalhadores. 

Militantes dos movimentos sociais repudiam truculência da GCM de São Bernardo em desocupação no Cooperativa 

Militantes de diversas organizações políticas e dos movimentos sociais se reuniram na noite desta sexta-feira, 5, no auditório da Câmara de São Bernardo para participar de ato de repúdio à ação truculenta da Guarda Civil Municipal (GCM) comandada pelo secretário de Segurança Urbana, Benedito Mariano, dando fim à ocupação Devanir José de Carvalho, no último sábado, 29, no bairro Cooperativa. Mais de 300 famílias foram violentamente retiradas do local debaixo de bombas de efeito moral e balas de borracha.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

NEOATEISMO E ISLAMOFOBIA

Los ateos del imperialismo

A LC reproduz abaixo uma análise realizada pela LC-TMB acerca do interessante artigo
"New Atheism, Old Empire" (Novo Ateísmo, velho império) da revista "Jacobin" que faz referência a uma espécie de neoateísmo reacionário atual.

El nuevo ateísmo pro-imperialista nació en la década de 1970. Es una expresión ideológica de la necesidad del imperialismo por recolonizar a Medio Oriente. Cuando EUA precisó sustituir el oro por el petroleo, constituyendo a partir de entonces, gran parte de su economía sobre el control de la principal fuente energética del planeta. El imperialismo mismo hace la segunda ofensiva imperialista en la región de la posguerra, después del primera ofensiva con el sionismo israelí. En cuanto una vertiente de la nueva ofensiva imperialista se apoyaba en la reacción democratizante de Medio Oriente con el sionismo con una mano y en el neoateismo islamofobico, con otra, en tanto sectores fundamentalistas islámicos eran peones de extrema utilidad en Afganistán y en todo el mundo árabe-musulmán para combatir a la URSS y la expancion del comunismo en Medio Oriente, como por ejemplo el apoyo del sionismo a Hamas para desestabilizar a la izquierda laica de la OLP.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

ESTADOS OPERARIOS E RESTAURAÇÃO CAPITALISTA

Camboja, Vietnã, Laos e Etiópia

Disponibilizamos aos nossos leitores um documento sobre as revoluções afro-asiáticas, o caráter de classe do Camboja, Vietnã, Laos e Etiópia e os processos de restauração capitalista nestes países, redigido pelos camaradas do Socialst Fight britânico. Original em inglês: The Marxist theory of the state: Deformed and Degenerated Workers' States And capitalist States.
Mao esmagou a greve dos trabalhadores que saudaram o ingresso de seu "Exército Vermelho" em Pequim, em 1949. Sob a influencia maoísta, o Camboja / Kampuchea não era um Estado operário deformado até sua invasão pelo Vietname, em 1978. Por isso, Peng Shuzi está errado quando raciocina assim:

“Em nossa opinião é a de que sob o regime de Pol Pot, o Camboja foi muito contraditório. Por um lado, Pot havia confiscado as propriedades da burguesia e estabelecido relações de propriedade socialistas; sobre este ponto básico, era um Estado operário. Mas, por outro lado, uma vez que ele foi o mais estúpido e mais brutal entre os burocratas stalinistas, um açougueiro que matou mais de um milhão de pessoas, o seu regime era uma ditadura brutal profundamente odiada pelo povo cambojano. Do ponto de vista dialético, a progressividade das suas nacionalizações da propriedade não pode ser negada, e deve ser apoiada. Mas o seu aventureirismo cego por abolir toda a moeda e interromper todo o comércio devem ser criticados; assim como a seu terrível dominio burocrático, ele deve ser duramente desmascarado e denunciado. Mas o SWP possui opiniões diferentes. Ele ressaltou os crimes da ditadura burocrática e negou o fato do confisco da propriedade privada por Pot, sendo assim definiu o Camboja como um país capitalista. Tal ponto de vista é estranho, porque um país capitalista sem propriedade privada e sem comércio nunca existiu no mundo. Como Cuba apoiou ao Vietnam, o SWP também seguiu a burocracia castrista e também apoiou o lado do Vietnã neste conflito. [I]

terça-feira, 11 de novembro de 2014

MARCHA POPULAR CONTRA A DIREITA, POR MAIS DIREITOS

Fazer do Brasil uma grande Cuba!

Este documento é uma elaboração comum do Comitê Paritário constituído pelo Coletivo Lênin e pela Liga Comunista / Comitê de Ligação pela IV Internacional (TMB / Argentina, Socialist Fight / Grã Bretanha), estabelecido na jornada de discussões de São Paulo dos dias 08 e 09 de novembro de 2014.

A crise de 2008, debilitou o domínio do imperialismo dos EUA e Europa sobre países como o Brasil, e favoreceu a influência das burguesias chinesa e russa. Os conflitos na Síria, Ucrânia e as últimas eleições estiveram marcados por essa nova disputa.

Durante e após as eleições, setores da classe média manipulados pelo imperialismo foram as ruas com todo o seu ódio, preconceitos e violência contra nós trabalhadores, defendendo a qualquer custo a derrota do PT.

Derrotada nas urnas, a direita quer agora derrubar o governo Dilma, agitando por uma nova ditadura militar para facilitar a aceitação de um golpe parlamentar como imposto em Honduras, Paraguai e Ucrânia.

Toda essa onda reacionária acontece porque eles têm medo de perder seus privilégios, de que o PT, pressionado por manifestações e greves, seja obrigado a fazer as reformas necessárias a melhoria vida dos trabalhadores. No entanto, o PT não fará essas reformas, porque mesmo depois de quase tomar um pé-na-bunda dos empresários e banqueiros, e quase perder a presidência num golpe eleitoral-midiático, o PT mais uma vez deixa de lado os movimentos sociais e os trabalhadores para negociar a sua “governabilidade” com a direita.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

TEORIA: DIALÉTICA

Dialética, ciência e luta de classes
Humberto Rodrigues

Dialética é a ciência das leis gerais do movimento tanto do mundo exterior quanto de seus reflexos no pensamento. A dialética parte do princípio de que todas as coisas estão em um processo contínuo de mudança. A diferença entre o pensamento comum e o pensamento dialético é a diferença entre uma fotografia e um filme. O pensamento vulgar, inclusive entre a militância  de esquerda, trabalha com conceitos como moral, liberdade, capitalismo, Estado, considerando-os como abstrações fixas, presumindo que capitalismo é igual a capitalismo, moral é igual a moral, Estado é igual a Estado,... O pensamento dialético analisa todas as coisas e fenômenos em suas mudanças e contradições permanentes que alteram objetiva e subjetivamente a todo o universo e que tais processos de mudanças podem converter escravidão em liberdade, jovialidade em velhice, ou seja, os fenômenos em seus opostos.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

O PORQUÊ DE VOTAR EM DILMA - J. L. TEJO

O porquê de votar em Dilma 

Reproduzimos o documento de J. L. Tejo (ex-dirigente do Partido Comunista Brasileiro - PCB) com o qual temos pleno acordo. Chamamos a atenção sobretudo para os motivos e método utilizados pelo camarada para tomar sua posição e para a caracterização do PT.

Inicialmente, deixo registrado que formalizei meu desligamento dos quadros do PCB-RJ, como militante e dirigente partidário. Faço isso em respeito ao centralismo democrático, evitando assim uma contradição pública com a posição oficial do Partido -voto nulo- para o segundo turno das eleições presidenciais de 2014.

Vejamos. Em 2006 e 2010, fui um severo adversário do voto dito "crítico" nas candidaturas do PT no segundo turno, mas me submeti à decisão do Partido. Em razão disso, a princípio, talvez o voto nulo hoje em 2014 viesse a, finalmente, me contemplar. Mas fica evidente, para quem quer que analise e observe a realidade brasileira, que a conjuntura em 2006 e 2010 não era tão grave quanto hoje. Em 2006 e 2010 o PT possuía larga vantagem diante dos adversários do PSDB. Os tucanos eram adversários fáceis, sua base de sustentação, conservadora como sempre mas mais tímida. Nesses cenários, o voto nulo por parte da esquerda revolucionária seria pertinente: marca-se posição e denuncia-se o lulismo (agora lulodilmismo), sem que se facilitasse as coisas para os tucanos. Em 2014, a situação é diferente: aquilo que há de mais reacionário e atrasado na sociedade brasileira perdeu a timidez e ganhou a luz do dia. Os corifeus da extrema-direita têm cada vez mais espaço nas mídias tradicionais (a web ainda é uma trincheira), o Congresso recém-eleito é o mais reacionário das últimas décadas, a luta de classes tem cada vez mais passado às vias de fato (vide a violência física contra militantes de partidos de esquerda e movimentos sociais nas "jornadas de junho" de 2013), sedes de partidos e movimentos de esquerda têm sido invadidos pelo Brasil (PSTU no Rio etc.), candidatos ligados a causas sociais (LGBTT etc.) são atacados durante a campanha eleitoral, são praticados atos terroristas -como há poucas semanas no hotel em Brasília- por desequilibrados influenciados pelo discurso de ódio dos Bolsonaros etc. etc. etc.

HORÁRIO DE VERÃO

Economia de energia duvidosa, lucrativo para os patrões e mais sufoco para a população trabalhadora. Pelo fim do horário de verão! Pela redução da jornada de trabalho!

Os governos justificam a adoção do horário de verão em nome da economia de energia. Foi instituído para durar quatro meses, começando no terceiro domingo de outubro e se prolongando até o terceiro domingo de fevereiro do ano seguinte. Em 2014, começou no dia 19 de outubro e vai até o dia 22 de fevereiro de 2015. Foi adotado pela primeira vez em 1931, abrangendo todo país. Depois foi suspenso por várias décadas. Voltou a ser adotado nacionalmente em 1985, mas sua abrangência vem sendo sucessivamente reduzida até hoje ser usado em 10 Estados mais o Distrito Federal. Em 2011, a Bahia aderiu ao Horário de Verão, mas a população reclamou e desde 2012 o Estado não participa mais desde 2012. O Tocantins aderiu em 2012, mas voltou atrás em 2013. 

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

PANFLETO UNIFICADO LC - CL PARA O 2o TURNO

Votar em Dilma para derrotar Aécio,
a direita e a nova ofensiva do imperialismo!

Este panfleto foi feito em pelo Coletivo Lenin e pela Liga Comunista-CLQI, é um pequeno resumo de nossa posição diante deste cenário político eleitoral no 2º turno das eleições burguesas, chamando voto no em Dilma/PT contra o candidato Aécio do PSDB, preferido do imperialismo e da direita golpista brasileira. Este panfleto tem como objetivo dialogar diretamente com os nossos companheiros trabalhadores nos variados locais de trabalho onde atuamos no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Companheiros, a conjuntura internacional mudou e exige toda nossa firmeza para combater o imperialismo e seus agentes. Após a crise de 2008, EUA e União Europeia perderam mercado para China e Rússia. Desde 2009, os países imperialistas, liderados pelo EUA, estão num contra-ataque para retomar o domínio econômico e político de regiões como a América Latina. No Brasil, que é o fiel da balança para o domínio no continente, o imperialismo aposta em Aécio Neves do PSDB para realizar essa missão.

domingo, 12 de outubro de 2014

OPERÁRIOS METALÚRGICOS - GREVE NA CAF

6,35% não dá!
Fortalecer a Greve até conquistar o aumento real!

Panfleto sindical distribuído pela corrente
Vanguarda Metalúrgica no 8o dia de greve da CAF.

A CAF-Brasil é uma das empresas que mais lucram no país, vende diretamente para os diversos Estados brasileiros (SP, PE, MG, RS, MS). Em média, os trabalhadores da CAF fazem 4 vagões por semana, ou seja, 192 vagões por ano. Se cada vagão custa por baixo R$ 4 milhões de reais, então temos R$ 768 milhões de reais produzidos por ano.

Por outro lado, a média salarial da CAF-Brasil (peãozada e adm.) é de R$ 3,5 mil reais. Isso, multiplicando por 600 funcionários dá R$ 2,1 milhões, e multiplicando isso por 13 (12 meses e mais o 13º salário) temos R$ 27,3 milhões de reais ano, em custos de salário para a CAF.

Veja, a CAF-Brasil gasta de salário, por ano, 3,5% de toda riqueza que é gerada dentro dela. Ou seja, 96,5% é tudo que entra (tirando os impostos governamentais e insumos, que na grande maioria voltam em isenções de ISS, ICMS, IPI e outros benefícios). A matéria-prima, a CAF-Brasil paga pra si mesma, porque é comprada da sua matriz européia, sendo isso uma outra forma de enviar lucros de sua filial brasileira para sua matriz basca.

Mesmo que a empresa conteste esses valores que estamos fazendo por aproximação, uma vez que a contabilidade da CAF é uma caixa preta, se todos os nossos salários aumentarem em 12,98% (o índice aprovado nas assembleias sindicais para a campanha salarial), mesmo assim o gasto da CAF-Brasil com salários, não chega a 4% de toda riqueza que nós produzimos anualmente. Por isso dizemos, 6,35% não dá. Fortalecer a Greve até conquistar o aumento real! Agora, lutamos por aumento salarial, mas diante de tanta exploração o objetivo final de todas as nossas lutas deve ser o controle operário da produção e o fim do capitalismo parasita.

POSIÇÃO DA LC NO 2o TURNO DAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS NO BRASIL

Votar em Dilma para derrotar Aécio, a direita e a nova ofensiva do imperialismo!
Esta declaração já não pertence apenas a LC-CLQI, foi assinada e reproduzida também pelos companheiros do Coletivo Lenin.
1. A Liga Comunista, junto com o Coletivo Lenin, deliberaram por votar em Dilma em 2014, apesar de sermos contra o programa e os governos capitalistas do PT. Nosso objetivo é fazer o que estiver ao nosso alcance para não permitir a vitória de Aécio Neves, a candidatura preferencial da direita golpista e da nova ofensiva do imperialismo. Nossa mudança de tática em relação a posição que adotamos nas eleições de 2010 se deve a nova ofensiva mundial imperialista, cujo ponto de inflexão na America Latina foi o golpe de Estado armado pela CIA em Honduras em 2009, seguido pela destituição de Lugo no Paraguai em 2012, para não falar nas ações golpistas na Líbia, Egito, Síria e Ucrânia, ofensiva que possui uma explícita continuidade na atual disputa eleitoral brasileira. Os EUA desejam ampliar de forma qualitativa o controle que possuem sobre o Brasil, que foi relativamente abalado porque a crise econômica mundial de 2008 fez com que o país reorientasse seu comercio exterior com a China e a Rússia. O aumento do parasitismo dos EUA sobre o Brasil, às custas da super-exploração e da liquidação de direitos dos nossos trabalhadores, e a recuperação do governo brasileiro para a órbita imperialista contra a influência Russo-China é essencial para a retomada da economia imperialista e de seu domínio sobretudo na América Latina. Isso se expressa na mudança do imperialismo em relação ao PT de Lula que antes o tratava como "o cara", para agora orientar o atual processo eleitoral fraudulento e golpista que assegura o favoritismo de Aécio, cujo principal slogan é "chega de PT!".

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

METALURGICOS - HORTOLÂNDIA / SP

15ª greve dos operários da CAF: Derrotar a intransigência da multinacional imperialista e de Alckmin que lançam pesado aparato policial para reprimir a nossa luta!

No dia 06 de outubro teve início a 15ª paralisação dos trabalhadores da CAF-Brasil por tempo indeterminado. Os metalúrgicos reivindicam um reajuste salarial digno com aumento real de salário. Mas diante da intransigência patronal de querer conceder apenas o aumento da inflação segundo o INPC, a companheirada mostrou na prática que sabe que os patrões só nos escutam quando as máquinas são silenciadas. No dia 24/09, os companheiros já tinham paralisado a produção por 24 horas por aumento real.

O que está em jogo nesta luta vai muito além do que mais uma greve salarial. Existem muitos conflitos de primeira grandeza da luta de classes e da economia política nacional que fazem dela uma luta profundamente significativa, primeiramente para o aprendizado dos próprios trabalhadores da CAF e, de forma mais ampla, para o conjunto dos trabalhadores brasileiros.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

ELEIÇÃO PRESIDENCIAL NO URUGUAI

Mujica, o 'presidente franciscano', enriqueceu o grande capital e o imperialismo às custas do arrocho salarial e precarização dos trabalhadores, assim o governo da Frente Ampla reanimou os partidos tradicionais da direita (Blancos e Colorados). Votar Nulo, pela construção de um partido operário marxista revolucionário!

Erwin Wolfe (LC) e Leon Carlos (TMB)

No Uruguai está em curso a eleição presidencial, que elegerá o substituto de José Mujica, porque lá não há direito à reeleição.

A eleição para o primeiro turno está marcada para o dia 26 de outubro, sendo que, em razão do equilíbrio entre os dois principais partidos burgueses, provavelmente haverá segundo turno no dia 30 de novembro de 2014. O Uruguai possui 2,6 milhões de eleitores.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

ELEIÇÕES 2014 - CHAMADO A VANGUARDA CLASSISTA

Um chamado a vanguarda classista
do Folha do Trabalhador #21


A Liga Comunista retoma as tradições marxistas de intervenção nas eleições burguesas.

Fazemos um chamado ao conjunto da vanguarda militante que não possui candidatos nestas eleições (ou que se encontra insatisfeita nos partidos de esquerda que possuem candidatos que não representam seus anseios classistas) para que conosco se delimite de forma rigorosa do oportunismo eleitoral, ao passo que aproveitemos  essa conjuntura como tribuna de denúncia contra o próprio eleitoralismo, o trabalho escravo, as demissões, a falta d´água, de saúde, educação, habitação, o assédio moral, a repressão policial, o machismo, o racismo, o clericalismo, o arrocho salarial, o endividamento da população trabalhadora.

sábado, 27 de setembro de 2014

PROPAGANDA ELEITORAL DE RADIO E TV DE ANTONIO

Propaganda eleitoral de TV e Rádio de Antonio Junior
Candidato a Deputado Federal pela Liga Comunista,
através do Partido da Causa Operária, sob o número 2919

Degravação da fala de Antonio Junior, companheiro metalúrgico da região de Campinas que coloca a sua candidatura a serviço da luta contra a chantagem patronal do desemprego e da campanha salarial unificada de 2014 de sua categoria que se realiza neste momento. Confiando em nossas próprias forças e em nossos métodos de luta venceremos a queda de braço contra a FIESP e os sindicatos patronais!


Meu nome é Antonio Junior, sou metalúrgico da região de Campinas.

Para combater o desemprego, defendemos a redução da jornada de trabalho sem redução de salários e direitos para 35h semanais.

E para combater o capitalismo, defendemos o governo operário e dos trabalhadores.

Venha construir a Liga Comunista!

Vote nos candidatos da Causa Operária!

Notas relacionadas

terça-feira, 23 de setembro de 2014

CORRESPONDÊNCIA DA ESCÓCIA

Escócia - uma obra em progresso
Balanço do referendo escocês na perspectiva dos trabalhadores
David Dinsmore - Scottish Republican Socialist Movement / SRSM

"A separação da Escócia é parte do processo de desintegração do império britânico
e é uma ajuda para o triunfo final dos trabalhadores do mundo."
John MacLean

A Liga Comunista publica na íntegra a carta que nos enviou o camarada David Dinsmore, membro do Scottish Republican Socialist Movement / SRSM (Movimento pela República Socialista da Escócia, em português).

Sindicalistas pela independência, YES, por uma República
Operária da Escócia e pela Solidariedade Internacional
A Escócia votou pelo “NO” – Dizem, bem aliviados, os partidos tradicionais de Westminster (o governo central em Londres) Labour/Liberais/Conservadores – partidos elitistas, dos banqueiros (sim – a maioria dos membros da oposição, do Partido Laborista, são milionários, educados em escolas e faculdades privadas, pertencentes as elites).

O voto “NO”, também contou com o apoio do UKIP – um partido de extrema direita e racista – e que chegou em primeiro lugar nas últimas eleições (para o Parlamento Europeu) na Inglaterra, enquanto na Escócia, ficaram apenas em quarto lugar. Também defendeu o “NO”, o British National Party e outros grupos abertamente fascistas, estes últimos, quase inexistente na Escócia. E por fim o 'Orange Lodge' (um grupo de extrema direta, protestante, a favor do imperialismo britânico, ativo no norte de Irlanda e Escócia, conhecido como Ordem de Orange), do qual, vou falar mais tarde.

domingo, 21 de setembro de 2014

METALÚRGICOS - JUNDIAÍ (SP)

Vitória e aprendizado na luta contra a
superexploração da Foxconn (Apple)

Os quase 4.000 metalúrgicos de uma das fábricas da Foxconn, a segunda planta instalada pela multinacional com matriz em Taiwan em Jundiaí (SP), no quilômetro 66 da Rodovia Anhanguera, realizaram uma greve exigindo um plano de cargos e salários. A greve durou 5 dias e derrotou a intransigência da empresa que enrolava fazia anos para não conceder o plano.

O acordo de greve foi negociado em uma audiência de conciliação entre o Sindicato dos Metalúrgicos de Jundiaí e a empresa no Tribunal Regional do Trabalho de Campinas no dia 18 de setembro. Os capitalistas da Foxconn depois que foram obrigados a conceder a reivindicação principal, resistiam a pagar dois dos dias parados, exigindo que os mesmos fossem compensados com trabalho aos sábados. Depois da audiência, a proposta foi posta em votação em nova assembleia no dia 18 e amplamente rejeitada pelos operários que se mantiveram firmes depois de conquistaram o plano de evolução salarial e funcional, se recusando a abrir mão do pagamento dos dias parados o que significaria por em dúvida o reconhecimento do elementar direito de greve. A empresa recuou novamente sendo obrigada a pagar os dias parados. 

PROPAGANDA ELEITORAL DE RADIO E TV DE LEVI

Propaganda eleitoral de TV e Rádio de Levi Sotto
Candidato a Deputado Estadual pela Liga Comunista,
através do Partido da Causa Operária, sob o número 29290

Degravação da fala de Levi para os míseros 19 segundos aos quais tem direito um candidato operário da construção civil de combate as construtoras (e confecções) escravocratas e os candidatos patrocinados por elas.

Clique sobre a imagem para acessar ao vídeo da propaganda na TV
"Meu nome é Levi Sotto.

Sou trabalhador da construção civil.

Defendo a estatização sob o controle dos trabalhadores da Construtoras e Confecções que forem pegas escravizando trabalhadores.

Defendo o Partido Operário e Marxista na luta contra a ditadura dos patrões."



Notas relacionadas

1. TRABALHO ESCRAVO: Chega de exploração, expropriação sem indenização dos escravocratas!
2. BANNER DA CAMPANHA DE LEVI SOTTO - CONTRA O TRABALHO ESCRAVO: Pela estatização sem indenização e controle operário das empresas que forem pegas escravizando trabalhadores - Levi Sotto- Deputado Estadual – 29290
4. VÍDEO - TRABALHO ESCRAVO: Levi Sotto - Liga Comunista

sábado, 20 de setembro de 2014

SOLIDARIEDADE AO PCO CONTRA A AGRESSÃO POLICIAL

Solidariedade total da Liga Comunista ao Partido da Causa Operária e à sua candidata ao governo de Minas Gerais Cleide Donária contra o violento ataque e agressão racista da Polícia Militar
A candidata do PCO ao governo de Minas Gerais, Cleide Donária, foi violentamente atacada e agredida de forma rascista, por defender a dissolução da Polícia Militar e ser negra.

Como constou na pág. 3 do Jornal Folha do Trabalhador # 21 de agosto/2014 da LIGA COMUNISTA, um dos maiores e principais acertos da campanha eleitoral do PCO foi levantar a bandeira da dissolução da PM: 

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

METALURGICOS CAMPINAS E REGIÃO

Sobre o controle operário da produção e
em defesa da luta dos operários da Flaskô


Antonio Junior, é operário metalúrgico da CAF-Brasil e candidato a Dep. Federal pela Liga Comunista e com seção democrática da legenda do PCO, nº 2919
Muitos operários ficam sem saber o que fazer quando uma fábrica ameaça deixar sua cidade ou até mesmo fechar as portas. Isso já aconteceu com Borgwarner e Mabe, respectivamente. Para a direção de qualquer sindicato, a maior preocupação é o pagamento das verbas rescisórias. Para o trabalhador, esse pagamento é fundamental, mas, a preocupação desse operário, é com o futuro, como ficará sua vida como desempregado.

Nós, marxistas revolucionários, não pensamos em pagamentos de verbas rescisórias e que o trabalhador se vire depois, afinal, tem mais de 5 mil empresas em nossa região, é o que eles sempre dizem. Nós pensamos sempre, como primeira opção, ocupar a fábrica para garantir os empregos, ou seja, o controle operário da produção. Mas, os trabalhadores perguntam, isso dá certo?

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

METALÚRGICOS - CAMPANHA SALARIAL E CAMPANHA ELEITORAL

"Dilma e o PT se lambuzaram na lama
dos porcos capitalista, Marina e Aécio
são candidatos dos donos dos porcos"

A Liga Comunista faz a degravação da intervenção do camarada Antonio Junior, operário, cipeiro e candidato a Deputado Federal e militante da LC, na assembleia de Campanha Salarial unificada dos metalúrgicos na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas

Companheiros e companheiras, meu nome é Antônio Junior, sou trabalhador da CAF-Brasil, fábrica de trens e metrôs localizada em Hortolândia (SP), região metropolitana de Campinas (SP).

Companheiros e companheiras, as dificuldades e o atraso nas negociações de nossa campanha salarial por parte da FIESP, parte da análise de que a burguesia, não quer fechar nenhum acordo econômico com os trabalhadores, por que eles estão esperando saber com quem vão lhe dar no ano de 2015.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

A NOVA CRUZADA

Se a criatura não conseguiu cumprir a missão,
o criador usa a caçada à criatura como álibi para cumprir
"Estado Islâmico", criação do imperialismo para justificar a Nova Cruzada,
derrubar Assad e recolonizar o Oriente Médio
Os EUA vem recrutando vassalos, de preferência membros dos países islâmicos, para uma nova Cruzada no Oriente Médio. O objetivo é o de recolonizar a região que, devido ao declínio do controle do imperialismo sobre o comércio mundial após a crise de 2008, é influenciada pelos adversários do núcleo Eurásico, Rússia e China, com cada vez mais estreitas relações com países como Síria, Irã, etc.

A Nova Cruzada, aliada a ofensiva fascista na Ucrânia, onde os EUA animam uma outra coalizão militar através da OTAN para enfrentar a resistência de Donbass e a Rússia, são movimentos que antecedem a conflagração da III Guerra Mundial. O tempo é um elemento fundamental nesta disputa. Para o imperialismo, é importante não deixar que o núcleo Eurásico e suas relações comerciais sigam se expandindo sob a base da estagnação econômica nos países imperialistas. Se esta expansão comercial dos adversários não for detida logo, eles poderão, buscando livrarem-se do tributo imperialista imposto através do dólar, aplicar um imenso golpe econômico contra o imperialismo, a desdolarização das suas relações comerciais.

domingo, 14 de setembro de 2014

LC / TMB - PLEBISCITE FOR THE INDEPENDENCE OF SCOTLAND

Vote “YES!”
Against imperialism and the British monarchy and for workers’ control of Scottish energy resources!
Communist League (Brazil)
Bolshevik Militant Tendency (Argentina)
8 September 2014

STATEMENT OF THE LIAISON COMMITTEE FOR THE FOURTH INTERNATIONAL
The organizations of the Liaison Committee for the Fourth International did not reach a common agreement about what tactics to adopt on the referendum on the independence of Scotland. The Communist League of Brazil and the Bolshevik Militant Tendency of Argentina argues for a “YES” vote but Socialist Fight of Great Britain argues for a vote "NO". Our young proto-international, which aspires to build as a centralized international party, has not built enough internal structures to act on the majority position by an internal LCFI vote on this issue. We don’t hide our internal disagreements about this tactic and we believe that the publication of the two positions is the most honest way of dealing with the topic before the working-class, the the oppressed and its world class vanguard.

Next September 18, there will be a referendum in Scotland to decide if the country splits or not from the United Kingdom. One of the important economic issues that are behind this legal-political decision is the question of North Sea oil.

The territorial sea adjacent to the North Atlantic and the North Sea contains the largest oil reserves in the European Union” [ 1 ]

This part of the ocean is, today the personal property of the British Crown. It is no coincidence that the Queen is “scared” as the polls that give victory to the “yes” in the referendum [ 2 ].

SF- PLEBISCITO PELA INDEPENDENCIA DA ESCÓCIA

Vote "NÃO"
Declaração do Socialist Fight sobre o referendo escocês que ocorrerá em 18 de setembro:
8 de setembro de 2014
NOTA INTRODUTÓRIA DO COMITÊ DE LIGAÇÃO PELA IV INTERNACIONAL:
As organizações do Comitê de Ligação pela IV Internacional não chegaram a um acordo comum sobre que tática adotar diante do plebiscito acerca da independência da Escócia. A Liga Comunista, do Brasil, e a Tendência Militante Bolchevique, da Argentina, defendem o voto “SIM”. O Socialist Fight, da Grã Bretanha, defende o voto “NÃO”. Nossa jovem proto-internacional, que aspira se construir como um partido centralizado internacional, ainda não possui estrutura interna desenvolvida o suficiente para deliberar por votação interna a posição majoritária do CLFI diante desta questão. Não escondemos nossas divergências internas sobre essa tática e acreditamos que a publicação das duas posições seja a forma mais honesta de tratar o tema diante da classe operária, dos oprimidos e de sua vanguarda classista mundial.

Lenin assinalou criticamente sobre a questão nacional:

"A defesa de um ‘SIM’ ou de um ‘NÃO’ acerca da questão da separação de uma nação pode parecer muito "prática". Na realidade, isto é um absurdo; é metafísico em teoria, ao passo que, na prática, leva a subordinação do proletariado à política da burguesia. A burguesia sempre coloca suas exigências nacionais em primeiro plano, e faz isso de forma categórica. Com o proletariado, no entanto, essas demandas são subordinadas aos interesses da luta de classes. Teoricamente, não se pode dizer de antemão se a revolução democrático-burguesa em uma determinada nação vai acabar na secessão de outra nação, ou na sua igualdade com a última; Em ambos os casos, o importante para o proletariado é assegurar o desenvolvimento de sua classe. Para a burguesia é importante dificultar este desenvolvimento, colocando os objetivos da ‘sua’ nação antes dos do proletariado. É por isso que o proletariado é contido com a reivindicação defensiva do reconhecimento do direito à autodeterminação, sem dar garantias de qualquer nação, e sem comprometer-se a dar qualquer coisa em detrimento de outra nação... Na medida em que a burguesia da nação oprimida luta contra o opressor, estamos sempre, em todos os casos, e mais fortemente do que qualquer outra pessoa, a favor, pois somos o mais firme e os inimigos mais consistentes de opressão. Mas na medida em que a burguesia da nação oprimida representa o seu próprio nacionalismo burguês, estamos contra. Lutamos contra os privilégios e a violência do país opressor, e não podemos tolerar de forma alguma os privilégios dentro da nação oprimida". [1]

A desintegração dos Impérios: A Áustria-Hungria era uma Torre de Babel, um caos poliglota no qual mesmo os austríacos não conseguiam se entender... Os tchecos queria o restabelecimento do reino da Boêmia, e, finalmente, a união com a Rússia, Os Routhenians, oprimidos pelos poloneses e diferindo em língua e religião deles, aspiravam ansiosamente por uma incorporação no império do Czar. Os poloneses proclamou secretamente, se não abertamente, a restauração do reino da Polônia. A Itália irredenta [aspiração de um povo a completar a própria unidade territorial nacional, anexando terras de outro] estava sempre atenta para a Trentina e Trieste, não importa quão duro os eslavos, funcionários e policiais tentaram suprimir esta aspiração. Os eslavos do sul das costas da Dalmácia, Croácia e Eslavônia clamavam por uma unificação, e seu objetivo principal era o restabelecimento do antigo reino da Sérvia, abrangendo também a Sérvia, Bósnia, Herzegovina e Montenegro. Os romenos desejava sua anexação pelo jovem e vigoroso reino austro-húngaro. E, por último, não menos importante, os alemães da Boêmia, Morávia, Silésia, Baixa Áustria, Estíria, e os habitantes mais avançadas e politicamente educados dos Alpes, desejava uma união das províncias alemãs com a Alemanha de uma forma ou de outra.

sábado, 13 de setembro de 2014

EM DEFESA DO BOROTBA CONTRA O FASCISMO NA UCRÂNIA

Em defesa da libertação imediata do preso político
Wladyslaw Wojciechowski, membro do Borotba!

"Ontem à noite, em Odessa, foi preso o ativista do "Borotba" Vladislav Wojciechowski. De acordo com nossas informações, o Serviço de Segurança da Ucrânia vai processar Vladislav por "terrorismo". Durante a busca do apartamento onde ele morava, foram plantados explosivos...

A prisão do camarada Wojciechowski mostra que o regime de Poroshenko não quer promover a paz civil, pelo contrário, continuam as detenções de ativistas por razões políticas.

A associação "Borotba" exige a libertação imediata dos presos políticos Wladyslaw Wojciechowski!
Vladisdav Wojciechowski estava na Casa dos Sindicatos no dia 02 de maio, ele foi um dos que sobreviveram, porém, ele recebeu profundos golpes dos nazistas, chegando a sofrer lesões que lhe causaram traumatismo craniano."

http://borotba.su/v_odesse_arestovan_aktivist_borotby_vladislav_vojcehovskij.html

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

PLEBISCITO PELA INDEPENDENCIA DA ESCÓCIA

Vote “SIM!”
Contra o imperialismo e a monarquia britânica e pelo controle operário dos recursos energéticos escoceses!
Liga Comunista - Brasil
Tendencia Militante Bolchevique - Argentina
8 de setembro de 2014

NOTA INTRODUTÓRIA DO COMITÊ DE LIGAÇÃO PELA IV INTERNACIONAL:
As organizações do Comitê de Ligação pela IV Internacional não chegaram a um acordo comum sobre que tática adotar diante do plebiscito acerca da independência da Escócia. A Liga Comunista, do Brasil, e a Tendência Militante Bolchevique, da Argentina, defendem o voto “SIM”. O Socialist Fight, da Grã Bretanha, defende o voto “NÃO”. Nossa jovem proto-internacional, que aspira se construir como um partido centralizado internacional, ainda não possui estrutura interna desenvolvida o suficiente para deliberar por votação interna a posição majoritária do CLFI diante desta questão. Não escondemos nossas divergências internas sobre essa tática e acreditamos que a publicação das duas posições seja a forma mais honesta de tratar o tema diante da classe operária, dos oprimidos e de sua vanguarda classista mundial.
Nós, portanto, publicaremos as duas declarações em seus idiomas originais. Abaixo está a declaração do SF em inglês. Em breve publicaremos a declaração da LC e TMB em inglês e a declaração do SF, em português.

No próximo 18 de setembro, ocorrerá um plebiscito na Escócia para decidir se o país se separa ou não do Reino Unido. Uma das questões econômicas importantes que estão por trás desta decisão jurídica-política, é a questão do petróleo do mar do norte.

O mar territorial adjacente no Atlântico Norte e no Mar do Norte contém as maiores reservas de petróleo da União Europeia” [ 1 ].

Esta parte do oceano é, hoje, propriedade pessoal da coroa britânica. Não é por acaso que a Rainha anda “assustada” como as pesquisas que dão vitória para o SIM no plebiscito [ 2 ].

Independente dos interesses burgueses e aspirações imperialistas dos dirigentes da campanha pela independência, mesmo que o Partido Nacional Escocês (SNP) seja um partido burguês de centro-direita, que agora tenta seduzir a UE e aos EUA para ganhar simpatias para romper com seu atual amo imperialista, não se pode de modo algum descartar o fato fundamental de que esta ruptura poderá provocar sérios problemas energéticos para o imperialismo britânico.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

HISTÓRIA TROTSKISTA

"Declaração dos comunistas
internacionalistas de Buchenwald"
Buchenwald foi um Campo de Concentração nazista localizado no Leste da Alemanha

A Liga Comunista reproduz abaixo um documento importante da luta dos trotskistas contra o nazismo. Ele foi escrito em abril de 1945. A fonte do original em língua inglesa é a revista "Espartacist" da LCI, publicada em Nova York, inverno de 1979, Volume VII, No. 1, páginas: 22-28. O documento foi transcrito para a internet por Markup: John Heckman e David Walters em setembro de 2006. Domínio Público: Encyclopedia of Trotskism On-Line, 2006. Você pode copiar, distribuir, exibir e executar esse trabalho; bem como criar obras derivadas e comerciais. Por favor creditar o Internet Archive Marxist como sua fonte, incluir o endereço do trabalho e anote os transcritores e revisores acima.

Mapa dos Campos de Concentração, Extermínio e Getos
 Introdução

É com grande satisfação que publicamos pela primeira vez em Inglês deste movimento e documento de importância histórica. A "Declaração dos Comunistas Internacionalistas de Buchenwald" é um manifesto programático por quadros e simpatizantes do movimento trotskista que sobreviveu ao campo de concentração nazista. Nem a tortura fascista nem a perseguição stalinista quebrou coragem política desses camaradas. Originalmente escrito em alemão, a declaração foi emitida há pouco mais de uma semana depois de Buchenwald foi libertado em abril de 1945, sua terceira seção foi impresso em uma edição de 1946 em Neuer Spartakus, a primeira imprensa trotskista em língua alemã publicada após a guerra. Esta parte do documento foi reeditado em Outubro de 1974 na Die Internationale, revista dos pablistas da Alemanha Ocidental. Mais recentemente, duas traduções francesas diferentes do texto completo foram publicadas. Apareceu no Boletim (n º 10) do Centre d'Etudes et de Recherches sur les Mouvements Trotskyste et Révolutionnaires Internationaux (CERMTRI); o segundo em Critique Communiste (n º 25, novembro de 1978), revista dos pablistas franceses. A nossa tradução é do texto original em alemão, que foi obtida a partir dos arquivos CERMTRI em Paris. Esta introdução é em grande parte baseada nos prefácios do texto que apareceu no CERMTRI Boletim e Critique Communiste. 

terça-feira, 2 de setembro de 2014

ELEIÇÕES 2014

Liga Comunista:
candidaturas operárias
nas eleições burguesas

A Liga Comunista utiliza o terreno das eleições burguesas para propagandear suas posições, desmascarar o caráter antidemocrático das mesmas e o papel reacionário do parlamento, do Estado e das instituições burguesas, visando a superação das ilusões eleitorais do conjunto dos trabalhadores e da população oprimida.

Nossas candidaturas denunciarão o Estado e seu governo como um comitê executivo dos patrões, auxiliado pelo parlamento e pela justiça dos ricos. Essas instituições não são neutras, elas existem para a manutenção do domínio dos exploradores sobre os explorados.

DA DEMOCRACIA DOS PATRÕES NO BRASIL E A LUTA REVOLUCIONÁRIA PELA TOMADA DO PODER PARA CONQUISTAR A DEMOCRACIA DOS TRABALHADORES

Estas características fazem com que o regime politico estabelecido no país não seja democrático precisamente porque ele se sustenta: 1) no viciado sistema baseado no poder do grande capital de controlar o resultado da eleição; 2) no voto eletrônico (sem qualquer comprovante impresso), como um seguro do pacto burguês de governabilidade; 3) no “voto qualificado” por Estado e não no voto universal, como um resseguro deste pacto, que favorece a uma espécie de federalismo oligárquico nacional que comanda os partidos, federalismo expresso na fórmula do “presidencialismo de coalizão”. A máxima expressão deste "voto qualificado" está na existência do Senado oligarquico.

Tudo isto demonstra o quanto o regime político brasileiro é oposto aos preceitos do voto universal, onde todos os eleitores tem o mesmo direito nas urnas, onde “cada homem vale um voto”, conquistados na Revolução Francesa. Tal princípio, revolucionário na época de infância do proletariado, foi enriquecido pela experiência da Comuna de Paris e pelas revoluções do século XX, sobretudo a Revolução Bolchevique de 1917, quando na luta pela tomada revolucionária do poder os trabalhadores encamparam a luta pela realização de tarefas democráticas, cujo formato é o governo de conselhos proletários e camponeses, um governo soviético, única forma verdadeiramente legítima de representação dos trabalhadores.

DEBATE CLQI - GERRY DOWNING - SF

Intervenção de Gerry Downing,
dirigente do Socialist Fight britânico no debate organizado pelo Comitê de Ligação pela IV Internacional, no ECLA, São Paulo, 23 de agosto de 2014
(clique sobre a imagem do cartaz da atividade para acessar ao vídeo)

sábado, 30 de agosto de 2014

CÚPULA DA OTAN - SF GRÃ BRETANHA

Declaração do Socialist Fight
para a cúpula da OTAN sobre a Ucrânia
O Socialist Fight (Luta Socialista) é a seção britânica do Comitê de Ligação pela IV Internacional que apresenta esta declaração nos protestos contra a agressão aos trabalhadores da Ucrânia pela OTAN, que realiza seu encontro de cúpula em Cardiff, capital do País de Gales, no Reino Unido.
30 de agosto de 2014
A classe trabalhadora do Leste da Ucrânia está resistindo heroicamente ao ataque violento de artilharia, morteiros e mísseis desencadeadas pelo exército ucraniano e pelos bandos fascistas na tentativa de salvar o seu país de um governo ultra-nacionalista, de inclinações fascistas e fantoche os EUA/UE/FMI. O imperialismo norte-americano e seus aliados como a Grã-Bretanha, Alemanha e França têm ajudado a orquestrar os sangrentos acontecimentos que se desdobraram na Ucrânia ao longo deste ano.

O imperialismo não pode existir sem guerra. 100 anos atrás, as rivalidades imperialistas culminaram na I Guerra Mundial e na matança de milhões, principalmente, é claro, da classe trabalhadora. Os dirigentes do movimento operário e socialista europeu não uniram a classe trabalhadora, cujos interesses eles dizem representar, mas sim com a classe dominante de seus respectivos Estados imperialistas. O resultado foi o massacre de milhares de pessoas na primeira guerra mecanizada.